Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

21 de junho de 2007

Escolas Católicas entregam cheque à APPACDM


O Núcleo das Escolas Católicas da Diocese de Coimbra vai entregar um cheque à APPACDM com o montante apurado nas diversas iniciativas que realizaram ao longo do ano.


A cerimónia está marcada para o próximo dia 28 de Junho, pelas 11H00, no centro da APPACDM de S. Silvestre.Recorde-se que no início do mês, no Colégio de Cernache, centenas de alunos do Externato de João XXIII, da Escola da Casa de Nossa Senhora do Rosário (Tavarede) e dos colégios da Rainha Santa Isabel, S. José, S. Teotónio e Imaculada Conceição, acompanhados de professores e familiares, conviveram com centenas de utentes da APPACDM de Coimbra que se estende pelos concelhos de Coimbra, Cantanhede, Montemor-o-Velho e Arganil. Tratou-se do II Festival SOLNEC que teve como lema "Juntos na diferença". Durante mais de sete horas, as cerca de três mil pessoas que por lá passaram tiveram oportunidade de ver ou participar em passeios de BTT, doar sangue (numa campanha promovida pelo Instituto Português do Sangue), comer porco no espeto, frango ou sardinhas assadas, deliciar-se com magníficas sobremesas, participar em jogos tradicionais e jogos de futebol, visitar os diversos ateliers (com objectos cuja venda reverteu para a campanha), passear de canoa ou barco, dançar, pintar, assistir a teatro de fantoches, tudo em perfeita harmonia com as pessoas com deficiência. Cerca das 16 horas, num anfiteatro ao ar livre recentemente construído e agora inaugurado, decorreu um espectáculo oferecido pelos utentes da APPACDM de Coimbra, com muita música, teatro e animação.
O Bispo de Coimbra, D. Albino Cleto, uma das presenças habituais nestes encontros, conviveu com alunos, pais e professores das escolas católicas e com os utentes e familiares da APPACDM de Coimbra, chegando mesmo a participar entusiasticamente nos jogos tradicionais realizados durante a tarde. Na saudação que proferiu durante o espectáculo, manifestou a satisfação por ver as suas escolas católicas envolvidas em actividades formativas altamente relevantes que muito contribuem para a educação integral subjacente aos seus projectos educativos.
Helena Albuquerque, presidente da APPACDM de Coimbra, visivelmente emocionada, congratulou-se com a festa, sobretudo pela alegria proporcionada aos utentes desta Associação. Sublinhou o excelente apoio do Núcleo das Escolas Católicas da Diocese de Coimbra (NEC), desde a primeira hora, por serem escolas com projectos educativos assentes em valores e habituadas a trabalhar em acções de solidariedade. Acrescentou que "é urgente que toda a sociedade se envolva na governação da Associação e que compreenda que a APPACDM de Coimbra está longe de ser só de alguns mas é de facto de todos e para todos. É o reconhecer da parte de todos os alunos do NEC que a APPACDM de Coimbra também lhes pertence". Aproveitou, ainda, esta oportunidade para fazer um repto às entidades oficiais, pedindo-lhes para olharem de forma mais dinâmica e eficiente para as necessidades do cidadão deficiente mental. Jorge Cotovio, coordenador do NEC, considerou que, tal como no ano transacto, o Festival foi a resposta natural a um desafio lançado no início do ano lectivo, atingindo os seus objectivos sobretudo pelo envolvimento e participação dos alunos (e famílias) em todo este percurso, pelos laços de amizade criados entre os diversos colégios e entre os alunos e as pessoas com deficiência, e pelo entusiasmo que acompanha estes projectos (apesar do trabalho que exigem), uma vez que a amizade, a entreajuda e a solidariedade fazem parte integrante da identidade e cultura das EC.
Com este Festival, as Escolas Católicas culminaram a campanha de solidariedade a favor da APPACDM de Coimbra, procurando recolher fundos para a Associação adquirir uma carrinha especial para transporte de utentes.


Acções solidárias e de experiências inesquecíveis
Neste percurso solidário, realizado num ano particularmente significativo – o Ano Europeu para a Igualdade de Oportunidades para Todos –, os alunos das EC tiveram ocasião de conviver com os utentes dos centros de Coimbra, Montemor, Arganil e Tocha, assistir ao desafio de futebol Académica – Porto, no Estádio Cidade de Coimbra, e aderir à campanha promovida pela APPACDM “traz ...tinteiros vazios & zás ... temos carrinha nova”.
A APPACDM de Coimbra foi, este ano, uma das instituições contempladas no projecto Vida Corajosa do programa SOLNEC, visando o incremento do voluntariado dos alunos das Escolas Católicas da diocese de Coimbra junto das pessoas portadoras de deficiência.
Além deste projecto, o NEC realiza outros encontros periódicos com alunos (4º, 9º e 11º anos), participa na campanha do Banco Alimentar e tem actividades com idosos, doentes e crianças desfavorecidas, de forma a promover a interacção solidária dos alunos com o meio envolvente.

Pavilhão Multidesportos em Coimbra

Feira social promove mobilidade e acessibilidade

Marcado para 3 e 4 de Julho, o evento é promovido no âmbito da actividade da Rede Social de Coimbra. Inclui concerto cujas receitas revertem para instituições de solidariedade.
Contribuir para a divulgação, junto da comunidade, de projectos de âmbito social e promover a “construção de uma sociedade mais justa e equitativa”, nomeadamente na área da acessibilidade e da mobilidade, são os dois grandes objectivos da Feira Social da Mobilidade e Acessibilidade, que decorre nos próximos dias 3 e 4 de Julho, no Pavilhão Multidesportos.
O evento, organizado no âmbito do plano de acção da Rede Social de Coimbra através do grupo de trabalho “Acessibilidades”, inclui uma “mostra global dos projectos sociais desenvolvidos e implementados pelas entidades do município de Coimbra com intervenção directa ou indirecta na área da acessibilidade e mobilidade”, explica a Divisão de Acção Social e Família da Câmara Municipal de Coimbra.Paralelamente ao certame, a Feira Social da Mobilidade e Acessibilidade inclui, na noite de dia 3, um concerto, cujo propósito, para além de apoiar algumas entidades de solidariedade social do concelho, é “partilhar as preocupações que estão na génese do evento”.
Os 5.ª Punkada, do Núcleo Regional do Centro da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral (NRC-APPC); os CAOBoys, da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM); a Orquestra Clássica do Centro; os Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra; e André Sardet são os convidados do espectáculo.
Cinco euros é o preço do ingresso para o concerto, cujas receitas finais vão reverter a favor de instituições do concelho com intervenção na área que dá o tema à Feira Social da Mobilidade e Acessibilidade: NRC-APPC, APPACDM e ACAPO – Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal.

CERCA DE 300 CURSISTAS PRESENTES

Cantanhede recebeu 17ª Ultreia Diocesana

D. Albino Cleto apelou à
corresponsabilidade dos leigos

Cerca de 300 cursistas reuniram-se em Cantanhede, junto à sede do Rancho Folclórico “Os Esticadinhos de Cantanhede”, no passado dia 17 de Junho, para celebrar a 17ª Ultreia Diocesana.
Foi um dia cheio de “vivência” eclesial. Apesar de o dia ameaçar chuva, logo pela manhã iniciou-se a Via Sacra, seguida de apresentação de um Tema e trabalho por grupos. Depois de um almoço partilhado com toda a fraternidade, passou-se ao momento da partilha dos testemunhos, pelos representantes dos vários centros: Cantanhede, Mira, Coimbra, Pombal e Soure. Esta apresentação foi concluída pelo responsável do Secretariado Diocesano dos Cursos de Cristandade, Fernando Raimundo, e o seu assistente, o cónego Sertório Martins.
O dia foi completado com a concelebração eucarística solene, presidida por D. Albino Cleto, bispo de Coimbra, acompanhados por mais sete padres. A assembleia participante foi apoiada pelo coro da Igreja Matriz de Cantanhede e era constituída por mais de 300 pessoas, vindas de toda a diocese.
D. Albino concluiu com a afirmação de que a diocese tem contado, desde há muito, com os cursistas em serviços eclesiais vários, mas agora pede-lhes “mais corresponsabilidade” sobretudo na evangelização das famílias e dos ambientes, pois aí “só os leigos podem chegar”.
Foi um dia feliz, rico de vivência espiritual e enriquecedor para toda a nossa diocese e mais ainda para a nossa paróquia de Cantanhede, feliz por acolher mais um grande evento diocesano. Bem-haja a quem o preparou!

19 de junho de 2007

Bispos reunidos em Fátima


Os Bispos portugueses estão reunidos em Fátima, de 18 a 21 de Junho, para as Jornadas Pastorais da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).
A iniciativa, que reúne ainda outros representantes das Dioceses do país, é dedicada ao tema "O ministério do Bispo e a arte de presidir e de comunicar". Na reflexão, os Bispos serão ajudados por especialistas de diversas áreas, como a liturgia, a comunicação social ou o mundo da cultura.
D. Carlos Azevedo, secretário da CEP, explicou que o tema surge da necessidade de "apresentarmos correctamente a fé". Esta questão vai ao encontro da preocupação dos Bispos do nosso país para o actual triénio, dedicado ao tema da transmissão da fé.
"O tema das Jornadas tem a ver com uma função episcopal, essencial", concluiu.

João César das Neves alerta:

O povo despenalizou o aborto, mas o Governo está a liberalizá-lo

João César das Neves chamou a atenção para a regulamentação da Lei do Aborto, afirmando que o que se está a pretender é a liberalização, banalização e, em certos casos, a nacionalização da interrupção voluntária da gravidez, quando o referendo tratava apenas da despenalização.
O economista falava no passado sábado, na I Convenção Minhota pela Vida e pela Família, organizada pela Associação In Familia, que iniciou a sua actividade, em Braga.
"Temos de lutar contra isto. Isto significa lutar institucionalmente e nós já estamos bem organizados nesse campo com pessoas que estão a tratar deste assunto em termos jurídicos, junto dos deputados na Assembleia da República e em termos políticos, junto dos partidos", disse.
O economista fez ainda questão de realçar que é necessário estar preparado para outras lutas, realçando que, a curto prazo, esperam-se novos ataques à família, uma vez que a vitória do sim aumentou o seu ímpeto para outras frentes. Por outro lado, João César das Neves salientou também a importância de se demonstrar, em termos pragmáticos, que os defensores do não têm razão. "O mais importante é aquilo que se faz nas organizações pró-vida que lidam com a realidade do drama do aborto, que foi mistificado pelos nossos adversários", disse.
Na sua opinião, é preciso ainda acompanhar as novidades que a derrota trouxe, nomeadamente a explosão do aborto, os problemas que vão surgir dentro das unidades de saúde e os lucros do aborto, com a actuação das multinacionais espanholas.

Missionários pedem ajuda para o Darfur


Os Missionários Combonianos apelam à participação de todos numa campanha pelo Darfur, onde já se teme uma "catástrofe pior do que a do Ruanda", como explica o padre Leonel Claro. A página da Internet http://plataformafrica.blogspot.com é o meio de comunicação utilizado por esta campanha que pretende informar, sensibilizar e "fazer com que cada um possa agir em prol dos direitos do povo sudanês".

D. José dos Santos Garcia comemorou 50 anos de episcopado


D. José dos Santos Garcia, bispo emérito de Porto Amélia-Pemba, comemorou no passado dia 16 de Junho deste ano as Bodas de Ouro episcopais. Com 94 anos de idade, o prelado é membro da Sociedade Missionária da Boa Nova e vive na sua terra natal, Aldeia do Souto (Guarda).
Antes de ser nomeado bispo daquela diocese de Moçambique, D. José dos Santos Garcia foi professor de Matemática, Prefeito e Vice-Reitor do Seminário de Cernache do Bonjardim.
Nascido a 16 de Abril de 1913, D. José dos Santos Garcia trabalhou, enquanto jovem padre, nos seminários de Portugal. Foi nomeado, em 1955, para Moçambique. Na antiga colónia portuguesa foi um grande obreiro da «Missão do Mutuáli», Diocese de Nampula, onde construiu a igreja, internatos masculino e feminino e centro de saúde. Apesar da idade avançada, D. José foi professor dos primeiros padres nativos daquele país.
Nomeado Bispo de Porto Amélia, hoje Pemba, em 1957, promoveu uma pastoral planeada em que eram prioridades a formação do clero, dos leigos e de religiosas moçambicanas. Para isso criou os Seminários, a Escola de Professores Catequistas e a primeira congregação religiosa de Moçambique, Filhas do Coração Imaculado de Maria.
Promoveu a evangelização e dotou as missões de esmerada estrutura. Sofreu com a divisão da sua diocese nos tempos da luta pela independência quando não podia visitar todos os cristãos
.

Encerramento da Escola Diocesana de Leigos


No próximo dia 22, na Figueira da Foz, a Escola Diocesana de Leigos encerrará mais um ano de trabalho e actividades, contando com a presença de muitos dos cristãos da Diocese que ainda frequentam esta proposta formativa ou já a tenham concluído num encontro presidido pelo Sr. D. Albino.
Criada em 2002, decorrente do Plano Pastoral Diocesano, a escola abriu o pólo de Coimbra, que vai no segundo curso; o pólo de Pombal, e de Cantanhede onde já se concluiu a formação; o pólo de Oliveira do Hospital, que concluirá no próximo ano; e o pólo da Figueira da Foz, que vai no segundo ano de funcionamento.
Cinco anos volvidos, e com a avaliação do Plano Pastoral que a Diocese irá fazer, também a Escola de Leigos irá avaliar o seu desempenho e a adequação da proposta que fez à realidade da Diocese, bem como o grau de consecução dos objectivos iniciais.
Contrariamente ao que se possa pensar, nunca foi objectivo proporcionar uma primeira evangelização, mas um aprofundamento da fé cristã numa linguagem crítica e actual que desencadeasse, sobretudo aos agentes de pastoral, uma maior e mais esclarecida corresponsabilidade eclesial.

Colóquio Europeu de Paróquias no Porto


"Habitar cristãmente o nosso tempo" é o tema o Colóquio Europeu de Paróquias (CEP), que se realiza no Porto, de 8 a 12 de Julho. A iniciativa acolhe, na Casa Diocesana de Vilar, cerca de duzentos participantes de 18 países da Europa, incluindo alguns da Europa de Leste, e propõe-se reflectir sobre o compromisso exigido aos cristãos pela cultura actual.
Para abordar a temática, o CEP conta com um painel de peritos que é constituído por Ignasi Mora i Terrats (padre catalão e professor na Faculdade de Teologia da Catalunha), Alphonse Borras (padre belga e vigário geral da diocese de Liège), Luca Bressan (padre e professor na Faculdade de Teologia de Milão, com tese de doutoramento sobre a paróquia) e Júlio Franclim do Couto e Pacheco (padre e pároco da diocese da Aveiro, professor de Sagrada Escritura no ISET de Coimbra).
Esta será a 24.ª edição do Colóquio Europeu de Paróquias (a primeira foi em 1961, em Lausanne, Suíça), actualmente um espaço de reflexão sobre as diversas problemáticas que cruzam a vida das Comunidades Paroquiais.
Esta reflexão, realizada em comum por sacerdotes e leigos de diversos países europeus, permite confrontar as diversas faces dos problemas que se lhes colocam e as soluções propostas por cada um.

Dois novos diáconos ordenados na Sé Nova no próximo Domingo


No próximo domingo, dia 24 de Junho, pelas 16 horas, o Bispo de Coimbra, D. Albino Cleto presidirá à Eucaristia na Sé Catedral, durante a qual ordenará dois diáconos. São eles: Paulo Jorge Oliveira Simões, natural de Gondelim (Penacova) e Filipe José Miranda Diniz, natural do Corticeiro de Cima (Cantanhede), ambos com 25 anos de idade. Começaram a sua formação no ano propedêutico em Leiria no ano 2000. Frequentam actualmente o último ano do Instituto Superior de Estudos Teológicos de Coimbra. É ocasião para nós cristãos darmos graças a Deus por estas vocações num período em que a Igreja sente cada vez mais a falta de sacerdotes.

Dia da Família Rural


A festa anual da Acção Católica Rural da Diocese de Coimbra tem lugar no dia 1 de Julho, na paróquia de Pousaflores. O acolhimento aos participantes será feito no adro da Igreja.
A manhã será preenchida com um tempo de formação e reflexão sobre o tema "Os Meios de Comunicação Social e os cristãos hoje", apresentado pela Dra. Raquel Bernardino e pelo Dr. Roger Madureira. A Eucaristia realiza-se às 11h30. Depois de um almoço partilhado, serão abertas mesas com produtos e artesanato de várias localidades, tendo início, pelas 14h30, uma tarde cultural com música, teatro, canções e a actuação do Rancho Folclórico de Pousaflores. O encerramento acontecerá pelas 17h30.

Nem a chuva impediu que o povo comemorasse Santo António


A chuva não fez cancelar as comemorações do santo mais popular do mundo: Santo António. Algumas iniciativas tiveram que ser canceladas como a actuação dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra prevista para o Anfiteatro e a procissão, que este ano, passava pelo IPO e pelo Hospital Pediátrico.


No entanto, o mais importante realizou-se: a celebração eucarística do dia 13 de Junho, presidida pelo Bispo de Coimbra, a palestra de Frei Severino Centomo no mesmo dia e a celebração eucarística do passado domingo com a distribuição dos "pãezinhos".
Para relembrar esse feito, a comissão toponímica atribuiu no passado dias 14 de Junho, o nome do santo a uma artéria que fica situada na rua que parte da Calçada do Gato, para norte, sem saída, atrás do edifício Diaton, surgindo integrada num programa mais alargado de festejos em honra de Santo António, promovido pela paróquia e junta de freguesia.
Coube a Frei Domingues falar sobre Fernando Martins Bulhões, nascido em Lisboa, a 15 de Setembro de 1191, e falecido em Arcella, nos arredores de Pádua, a 13 de Junho de 1231. O franciscano foi canonizado, em 1232, por Gregório IX.
No dia anterior, a paróquia relembrou o santo com a celebração de uma Eucaristia presidida por D. Albino Cleto, Bispo de Coimbra. Na homilia, o prelado da diocese destacou as virtudes de Santo António no que respeita à solidariedade, à igualdade, à justiça e à fraternidade. D. Albino Cleto destacou que "Santo António tomou como valor: a grande paixão por Jesus Cristo". Ao contrário de muitos pregadores, Santo António apaixonou-se pelo Evangelho, entregando-se totalmente aos outros – daí ter ido para os Olivais onde se encontravam muito pobres na época. "Se ele quisesse ter sido apenas um grande pregador teria escolhido outra cidade europeia", afirmou ainda o Bispo de Coimbra, interpelando os fiéis para os valores da nossa sociedade.
A procissão que estava programada no passado sábado não se pode realizar devido a intempérie que se registou na região. A missa do domingo, também não se realizou nas escadarias como estava prevista, mas sim no interior da igreja que dificultou a participação de muitos fiéis que se deslocam habitualmente nesta altura em peregrinação. No entanto, os franciscanos não deixaram de distribuir o famoso pão de Santo António no fim da missa.
A distribuição dos "pãezinhos" de Santo António é um costume praticado pela Igreja. Diz a tradição que o alimento deve ser guardado dentro de uma lata, um saco de pano ou outro resguardo qualquer, como garantia que não faltará comida durante todo o ano. Há quem diga que pão não mofa, mantendo-se íntegro todo o ano.
Na missa de domingo, Frei Domingos, pároco de Santo António dos Olivais explicou que a distribuição do pão é um gesto simbólico. "Os que aqui estão têm pão em casa", sublinhou, referindo depois que "temos de lembrar-nos que há quem não tenha e precisa de ajuda", razão pela qual Santo António distribuiu o pão pelos pobres.
Depois de benzido, o pão de Santo António foi distribuído fora da igreja. Dois pães por pessoa, separados por antecipação e acondicionados dentro de sacos de papel, foram religiosamente guardados pelos fiéis.


Texto: Miguel Cotrim
Foto: Mário Martins

Delegação do CADC participa no Encontro Europeu de Docentes e Investigadores Universitários a propósito da celebração do 50º aniversário do tratado de


Dezena e meia de docentes e investigadores sócios do CADC fazem parte de uma delegação que estará presente em Roma, nos dias 21 a 24 de Junho, para participar no Encontro Europeu de Docentes e Investigadores Universitários. O convite foi-lhe dirigido pelo Vicariato de Roma para a Pastoral Universitária e pela Presidência das Conferências Episcopais da Comunidade Europeia a propósito da celebração do 50º aniversário do tratado de Roma. O tema de reflexão é «Um novo Humanismo para a Europa. O papel da Universidade».
As áreas temáticas a debater vão desde «a pessoa humana: genética e biografia», passando por «A cidade do homem: sociedade, ambiente e economia» e «A visão da ciência: descobertas, invenções e tecnologia» até à «Criatividade e memória: história, literatura. Língua e arte».
Vários dos membros da delegação do CADC irão apresentar comunicações escritas, repartindo as suas intervenções pelos assuntos específicos que compõem cada uma das áreas temáticas.
Ao longo de vários meses, não só os que agora participam no Encontro, mas muitos mais docentes ligados ao CADC, em tertúlias ou em encontros informais durante o almoço, foram debatendo e aprofundando os temas elencados no programa oferecido pela organização do Simpósio.
A riqueza do temário e certamente a vivência dos dias passados na Cidade Eterna, conduzirão não só no intensificar do entusiasmo apostólico de cada um dos participantes, mas, também, no delinear do programa de reflexão que, a par de outras actividades, norteará o CADC no próximo ano.

Senhor da Serra vai ter carrilhão


Para assinalar os 90 anos das aparições de Fátima, o Santuário do Divino Senhor da Serra vai ter um novo carrilhão. Os quatro sinos da torre foram já retirados e levados para Braga, onde estão a ser recuperados por uma empresa dessa região.
O padre António Pedro explica que "a comissão administrativa do Santuário do Divino Senhor da Serra entendeu comemorar os 90 anos das aparições de Fátima com a inauguração de um carrilhão de 12 sinos" e acrescenta que, com o objectivo de tornar mais barata a empreitada, os quatro sinos que já faziam parte da torre serão integrados na obra, depois de previamente recuperados. O presbítero sublinha ainda a importância da iniciativa como forma de criar um elo de ligação entre os dois santuários, o de Fátima, dedicado à Mãe, Maria, e o do Senhor da Serra, dedicado ao seu Filho, o Divino Senhor.
Queixando-se de alguma desvalorização a que o Santuário tem sido votado, o pároco lembra a tradição e devoção ímpares ligadas ao Senhor da Serra, dizendo que esta obra é mais uma forma encontrada pela comunidade para trazer "à lembrança" dos fiéis o Santuário. Um dos 12 sinos terá uma inscrição a lembrar os 90 anos das Aparições em Fátima.
O carrilhão deverá estar concluído em Julho e será inaugurado no dia 19 de Agosto, no dia da solene romaria.

Centro paroquial de Pampilhosa da Serra organiza recolha de fundos


Para concretizar o projecto de alargamento das suas instalações de creche, cujos custos rondam os 45 mil euros, não comparticipados pelo Estado, o Centro de Assistência Paroquial de Pampilhosa, está a realizar uma campanha de angariação de fundos. Com o apoio da Junta de Freguesia da Pampilhosa e do grupo Electrich CO. Band e os seus convidados, será apresentado, no dia 7 de Julho, a partir das 22h, no Jardim Municipal da Pampilhosa, um espectáculo musical. As entradas são gratuitas, havendo serviço de bar permanente a funcionar.

Oliveira do Hospital:


igreja de Lourosa vai ser alvo de recuperação

A igreja moçárabe de Lourosa vai ser alvo de obras de requalificação, num projecto avaliado em 450 mil euros. Esta igreja, que foi construída em 912, muito antes da fundação da nacionalidade, é monumento nacional desde 14 de Junho de 1916.

A Câmara de Oliveira do Hospital, através do seu Gabinete Técnico Local (GTL), tem projectado um plano de recuperação dos espaços envolventes. O presidente da autarquia revelou na passada semana à comunicação social que gostaria de comemorar os 1100 anos da construção da igreja com o "renovar daquele espaço magnífico".
O GTL já tem concluído o projecto, que foi enviado à Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, para aprovação, uma vez que o monumento é tutelado por este organismo e sem o seu parecer positivo não se pode efectuar qualquer tipo de obra. O projecto envolve várias componentes, como arruamentos, iluminação pública, instalação de uma rede de televisão por cabo, para retirar as antenas das habitações circundantes do monumento.
Há vários anos que aquele monumento nacional não é alvo de nenhum tipo de obra de requalificação. Mário Alves pretende também candidatar o projecto ao próximo quadro comunitário, o QREN.
"Esperemos que ao nível do QREN possamos encaixar uma candidatura para esta obra com financiamento a setenta e cinco por cento", realçou.
A Câmara "está disponível para entrar com a parte financeira nacional, desde que nos deixem fazer a candidatura ao QREN", sublinhou ainda o autarca.

Único templo
moçárabe do país

A construção da igreja de Lourosa pertence à época de Ordonho, rei da Galiza. A igreja de Lourosa é a única de estilo moçárabe existente em Portugal. Todos os historiadores que se têm ocupado do seu estudo atribuem o ano de 912 à sua construção, data mencionada em uma inscrição que nela se encontra.
O Papa Alexandre III, em 1179, com a bula "Manifestis Probatum", reconhece D. Afonso Henriques como rei, e o seu Estado, Portugal, como reino já a igreja de São Pedro de Lourosa tinha 257 anos.
A fúria transformadora, que destruiu várias outras igrejas dos séculos da reconquista, deixou que esta chegasse até aos dias de hoje, acrescentada embora de adições posteriores, mas respeitada nas suas linhas fundamentais primitivas.
Exemplar único de igreja pré-românica (moçárabe) em Portugal, apresenta estrutura típica de uma construção de três naves e cabeceira desenvolvida. Edifício muito reconstruído ao longo do tempo apresenta, mesmo assim características da heterogeneidade de influências culturais, artísticas e civilizacionais da época da primeira Reconquista.
O interior da igreja de Lourosa está dividido em três naves que apresentam uma particularidade notável quanto à sua extensão, pois a nave central é muito mais comprida que as naves laterais. Arcadas formadas de três arcos de ferradura separam, a cada lado, a nave central das naves laterais.

Ordem terceira promove viagem


A Ordem Terceira de S. Francisco, na Rua da Sofia, n.º 114, tem abertas inscrições para a participação numa viagem a França (Lourdes), ao principado de Andorra e a Espanha (Burgos, Saragoça, Madrid), a realizar de 4 a 9 Agosto. Os interessados devem fazer a respectiva inscrição na secretaria (sr. António Carlos), durante as horas de expediente ou pelo telefone 239 822938.

Maior puzzle do mundo exposto na Casa da Cultura


"A vida é um desafio", é o nome de um puzzle com cerca de 25 mil peças, criado por Royce McClure (natural da Nova Zelândia) e encontra-se actualmente exposto na Galeria do Átrio da Casa Municipal da Cultura, em Coimbra.
Este trabalho foi construído por Maria Zulmira Ponte propositadamente para esta exposição e é considerado o maior puzzle do mundo. Na inauguração da exposição que decorreu no passado dia 15 de Junho pelas 18 horas, o vereador da Cultura, Mário Nunes destacou que "este trabalho é digno de uma candidatura ao Guinness".
Aproveitando a experiência que adquiriu ao longo de 20 anos a conceber puzzles, Maria Zulmira Ponte levou três meses a unir 25 mil peças. Este puzzle possui 4,28 metros de largura e 1,57 metros de altura.
A autora deste trabalho garantiu-nos que o desafio de compor este puzzle surgiu apenas pelo gosto de o fazer. Da mesma maneira que a própria vida, este trabalho está repleto de actividade, cor, beleza e drama.
O gosto pela construção de puzzles nasceu quando o seu filho tinha na altura três anos e lhe ofereceram pela Natal uma caixa de 1.500 peças. Ajudou-o a construí-lo e desde então, nunca mais parou. Entusiasmou-se com o resultado, e das 1.500 peças passou rapidamente para as 3 mil, 5 mil e assim sucessivamente. Hoje podemos apreciar os seus trabalhos com 10, 15 e 18 mil peças.
Maria Zulmira Ponte é natural de Lisboa e reside em Coimbra desde 1973. Apesar de ser enfermeira especializada nos Hospitais da Universidade de Coimbra, iniciou o prazer da construção de puzzles há cerca de 20 anos tendo, já reunido um número significativo de puzzles, que evidenciam o grau de dificuldade deste passatempo, que surgiu pelo gosto de organizar o "caos", quer pelos temas apresentados, quer pelo números de peças que envolvem.
A mostra apresenta construções em puzzles, a partir de obras de referência da História da Arte, como é o caso do "Jardim das delícias", "Le Parnasse", Guernica", "Capela Sistina", "Última Ceia" entre outros marcos artísticos espalhados pelo mundo inteiro
A mostra estará patente até ao dia 1 de Julho, de Segunda a Sexta, das 9h00 às 19h30; Sábados, entre as 14h00 e as 18h30. Encerra aos Domingos e feriados.


Miguel Cotrim

José Mattoso defende: não deve abrir-se agora o túmulo de D. Afonso


José Mattoso considera mais prudente esperar pelo desenvolvimento de novos métodos de análise e só depois abrir o túmulo do primeiro rei de Portugal, que se encontra na Igreja de Santa Cruz.
O historiador José Mattoso concorda com a não abertura imediata do túmulo de D. Afonso Henriques por haver risco de se destruírem os vestígios existentes, mas considera que a análise seria "muito interessante" do ponto de vista historiográfico.
Tendo em conta que a análise do ADN implica a destruição dos materiais utilizados, Mattoso afirmou, numa entrevista à Agência Lusa, que é mais prudente esperar pelo desenvolvimento de novos métodos que não impliquem a destruição.
O historiador diz "respeitar" o parecer técnico que aconselha a não abertura neste momento da arca tumular, tanto mais que "tem havido várias investigações de ADN que não têm atingido resultados evidentes e arriscávamo-nos a destruir para sempre os vestígios que existem".
José Mattoso, autor de uma biografia do primeiro rei de Portugal, refere que "a investigação do ADN está em progresso, sendo provável que num futuro próximo os métodos sejam suficientemente seguros, mesmo com pedaços muito reduzidos, ou sem os destruir".
"Cláudio Torres pensa que o facto de as ossadas terem sido manipuladas por ocasião de várias intervenções anteriores, pelo menos as do tempo de D. Manuel e D. Miguel, tornam o exame de ADN inseguro e levariam a destruir os despojos actualmente existentes", afirma o autor de "Identificação de um país".
O historiador não deixa de sublinhar que "os métodos científicos modernos são muito interessantes porque abrem novos campos para a interpretação histórica e consequentemente seria uma atitude muito pouco científica recusar a sua utilização neste caso".
O túmulo de D. Afonso Henriques encontra-se no altar-mor da igreja de Santa Cruz, em Coimbra, cujo mosteiro recebeu várias doações do rei, que ouvia atentamente os conselhos do seu prior S. Teotónio, o primeiro santo português.
O túmulo de D. Afonso Henriques foi aberto pelo menos duas vezes, a primeira no reinado de D. Manuel I. O relato feito nessa altura diz que o corpo estava praticamente incorrupto, um testemunho que Mattoso considera decerto mais resultante da veneração tributada ao rei do que de uma observação objectiva.
Na ocasião considerava-se que a sua estatura era a de "um verdadeiro gigante". As suas dimensões físicas tinham de estar à altura da obra moral do "construtor de um reino protegido por Deus" que D. Manuel, seu décimo neto, "estendera até aos limites da orbe terrestre".
Em 1832, o rei D. Miguel voltou a mandar abrir o túmulo. O relato existente já não fala do corpo mas apenas de ossadas "que continuam a ser as de um gigante". Mattoso constata que a expressão "gigante" surge já nos Anais de Santa Cruz, escritos pouco depois da sua morte. "O cónego regrante que os escreveu deve tê-lo conhecido pessoalmente", afirma.

Nuno Lopes
(Agência Lusa)

Casa de Formação da Rainha Santa comemora 75 anos


A Casa de Formação Cristã da Rainha Santa está a celebrar os seus 75 anos de existência. Entre este mês e Novembro, altura em que a primeira jovem deu entrada na casa, um conjunto de iniciativas irá assinalar a data. No dia 16 de Junho, realizou-se já um passeio a Nossa Senhora do Castelo (Mangualde), Nosso Senhor dos Caminhos (Rãs) e Santuário de Nossa Senhora da Lapa (Sernancelhe).
Manuela Carvalhão Santos, presidente da direcção da Casa, afirma que não tem sido fácil mantê-la de pé. Para além do subsídio da Segurança Social, a casa de formação conta com ajudas "esporádicas de benfeitores" e com as quotas dos cerca de 30 sócios desta Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS). A Confraria da Rainha Santa tem revelado algumas dificuldades na prestação de apoio. No dia 27 de Junho, o Coro da Universidade de Coimbra e o da Associação Sol Eiras juntam-se num espectáculo de angariação de fundos, no salão da Igreja de S. José.
As instalações da Quinta das Varandas acolhem actualmente cerca de 90 jovens, sendo a esmagadora maioria proveniente de "ambiente degradados, marcados pelo alcoolismo dos pais. Algumas são órfãs. Na casa, para além do espaço e da alimentação, têm direito a uma "orientação" para que possam, depois, enfrentar o mundo, explica Manuela Carvalhão Santos. Muitas raparigas permanecem na casa enquanto frequentam o ensino superior e, segundo esta responsável, "saem com o curso e prontas a entrar no mercado de trabalho".
Ainda no âmbito das comemorações deste ano, realiza-se uma conferência, no dia 4 de Julho, na Casa Municipal da Cultura, pelas 21h30, com o tema "Rainha Santa Isabel – a Confraria da Rainha Santa Isabel e a Casa de Formação Cristã da Rainha Santa". No dia 20 de Outubro, às 15h, o bispo de Coimbra, D. Albino Cleto, preside a uma celebração na igreja da casa de formação, estando também presentes, nesse dia, o padre António Sousa, o cónego João Castelhano e os reverendos Joel Antunes e Jorge Camejo. Segue-se uma "Tarde de Arte" e um lanche de confraternização. As comemorações terminam no dia 11 de Novembro com um "Dia Aberto".