Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

24 de abril de 2007

“O Espírito Santo virá sobre ti"

Foi há 40 anos que o Senhor derramou na Igreja Católica a graça do Renovamento Carismático e a fez propagar pelo mundo inteiro transformando, pelo poder do Espírito Santo, a vida de milhões de pessoas.

É tempo de agradecer e de celebrar, de voltar ao ardor inicial e de receber de novo a Força do Alto. Por isso nos reunimos em Febres, no próximo dia 1 de Maio, em Assembleia Diocesana.

Todos estão convidados a participar!

PROGRAMA

09h 00m – ADORAÇÃO
09h 30m – ORAÇÃO DA MANHÃ
10h 00m – ENSINAMENTO
11h 00m – INTERVALO
11h 30m – EUCARISTIA
13h 00m – ALMOÇO PARTILHADO
14h 30m – ANIMAÇÃO
15h 00m – ENSINAMENTO E TESTEMUNHO
16h 00m – INTERVALO
16h 30m – ASSEMBLEIA DE LOUVOR, CURA E LIBERTAÇÃO
18h 00m – TESTEMUNHO
18h 30m – ENVIO EM MISSÃO FESTA

Longa conversa com a jornalista Lisa Ferreira



Padre Jorge Camejo: as peripécias de uma vida com história

"Heróicidade que emocionou Moçambique" - foi o título que um semanário encontrou para, na época, sintetizar a aventura do padre Jorge Camejo, então no Niassa, para encontrar uma senhora e três crianças raptadas. Esta e muitas outras histórias fazem parte da vida deste sacerdote da Diocese de Coimbra, que fez um longo percurso humano, de Coimbra a Vila Cabral, passando por Sá da Bandeira e Luanda, até ao regresso a Coimbra.

Longa conversa com a jornalista Lisa Ferreira
Padre Jorge Camejo: as peripécias de uma vida com história

"Um sacerdote apaixonado do bem-fazer": foi assim que o jornal Novidades, de 7 de Fevereiro de 1967, se referiu ao padre Jorge Camejo, contando aos leitores a sua história de aventura em terras de África e dando a conhecer "o grande universo da sua alma generosa". O "Correio" quis voltar a ouvir a mesma história, contada pelo seu protagonista, muitos anos depois, com palavras simples mas cheias de um entusiasmo mal contido. Para que seja possível aprender com ela, mais uma vez, caminhos de entrega e de serviço aos outros.

Com D. Eurico em Moçambique: o melhor tempo da minha vida
Em Julho de 1964, D. Eurico Dias Nogueira é nomeado bispo da diocese moçambicana de Vila Cabral e faz-se acompanhar pelo padre Camejo, que deixa o Convento de Semide, onde era administrador, para se instalar nos longes do Niassa. De África, recorda o "espaço largo", "a harmonia com a natureza" e a proximidade com as pessoas que, em comunidade, respiravam um "outro espírito", definido pelo respeito natural pelas diferenças e pela proximidade própria de quem aprendeu a pensar no outro. As capelas construídas nos povoados africanos para acolher católicos, anglicanos e muçulmanos são um bom exemplo da tolerância vivida nas sanzalas e nos aglomerados de habitações da altura. Lembrando as festas religiosas e querendo mostrar a importância da tolerância, este sacerdote revive o dia em que membros da comunidade muçulmana se prontificaram a levar o andor de Nossa Senhora, que partilha o nome com Fátima, filha de Maomé.
A tarefa de prestar auxílio ao bispo e de o acompanhar como secretário foi sempre o menor dos trabalhos que lhe couberam, ditados também pela sua iniciativa e pelo facto de ter feito dos que o procuravam, pedindo ajuda, o seu mundo e a sua escolha. Em palavras publicadas no Diário de Notícias, de 27 de Março de 1967, o padre Camejo "tornou-se uma figura de todos os dias, quer ensinando doutrina aos catecúmenos, quer acompanhando o seu prelado, quer aparecendo nas festas dos muçulmanos, quer espalhando bondade e amor".
Quando lhe perguntamos se o poder da PIDE era nessa altura palpável em Vila Cabral, reconhece, hoje, que terá sido, muitas vezes, "imprudente". Ser cauteloso e "estar de sobreaviso" eram atitudes constantemente necessárias para alguém que mantinha relações com os, então chamados, terroristas da Frelimo. As deslocações às missões que ficavam fora da cidade exigiam cuidado e prudência. Com a naturalidade de quem viveu de perto o que só conhecemos de ouvir falar, diz ter assistido à tortura de um catequista da diocese: "vi-o pendurado por uma roldana pelos pés, de cabeça para baixo". O chefe da PIDE disse-lhe, então, que o mesmo não lhe aconteceria se "estivesse" com eles… Muitos dos Missionários do Niassa tinham processos naqueles serviços do Estado e passavam, de voz em voz, os lugares onde, pela calada da noite, se enterravam, numa vala comum, as vítimas que não resistiam aos maus tratos. As histórias de desaparecimento dos Nianjas, uma etnia das imediações do Lago Niassa, ou de cães atiçados para não se ouvirem os gritos de quem era torturado faziam eco nas populações, dando espaço ao medo colectivo para crescer.

"Heroicidade que emocionou Moçambique"
"Foi o melhor tempo da minha vida", afirma, sem dúvidas, o padre de quem se disse ser de uma "heroicidade que emocionou Moçambique" (semanário de Castelo Branco, Reconquista, de 9 de Abril de 1967). E o título de herói assenta-lhe ainda melhor se conhecermos a sua aventura pelo mato africano em busca de uma mulher e três crianças raptadas. No Colonato da Nova Madeira, a cerca de 20 quilómetros de Vila Cabral, fora levada pelos guerrilheiros uma senhora açoriana e três crianças. O pai angustiado estava, no dia seguinte, na residência do bispo, para pedir ajuda. Porque as informações tardavam, o padre Camejo conseguiu, de D. Eurico, autorização para se deslocar à missão de Unango, a 40 quilómetros, a fim de recolher informações sobre as raptadas. Acompanhado por guias da Frelimo, dispôs-se a chegar às primeiras bases do movimento, na pista dos desaparecidos. Sem documentos, sem dinheiro, sem outra roupa que não a batina preta que levava vestida e com uns sapatos "que iam ficando pelo caminho", seguiu pelo mato com os guerrilheiros, partilhando com eles carne de macaco e de ratos. Da viagem cansativa, conta que o que mais o impressionava era "ver, dentro do caldeiro, as mãos dos macaquitos já mortos". Depois de dias sem sal com que temperar os alimentos, recorda, também, o conteúdo de um frasquinho levado por um chefe da guerrilha, uma mistura de sal e jindungo, cujo sabor diz não ter conseguido esquecer até hoje.
Sempre a pé e bebendo água "à maneira dos bosquímanos", sugando-a com um canudo do fundo do leito de um rio seco, o grupo chega ao cruzamento do rio Messinge com o Rovuma e a um sítio onde era fácil atravessar a fronteira e pôr pés na Tanzânia. Confundido com um espião, é preso em Songueia onde, entrando em contacto com o Arcebispo de Dar es-Salam, consegue fazer-se transportar para essa cidade. Preso novamente, já com os sapatos presos por arames e as calças rotas, consegue provar a sua identidade como padre, rezando Vésperas da Liturgia das Horas, em latim, e recitando o Pai-Nosso, na mesma língua. Durante o tempo na cadeia, não consegue evitar o nascimento de uma áurea em seu torno que confessa ter-lhe "facilitado a vida". Tem presente a história de uma mulher presa que "passava os dias e as noites a gritar e às voltas na cela". Pediram-lhe que fizesse o sinal da cruz sobre ela e o padre Camejo, com paciência, palavras lentas e seguras e gestos sem violência, conseguiu que a mulher acalmasse e adormecesse. Ao chefe da prisão, que contrariando as regras naturais da cadeia, o levou durante a noite a jantar em sua casa, foi difícil convencer da condição de homem comum e sem poder de operar milagres do padre Camejo.
Depois de ter provado ser sacerdote, é acolhido pelo bispo de Dar es-Salam, suíço, e, na Casa Episcopal, é "tratado, lavado e liberto dos piolhos". Através da Cruz Vermelha, sabe do paradeiro da mulher e das crianças que procurava e obtém autorização para que estas pudessem viajar, não para Moçambique, mas para Portugal. Entretanto, é-lhe comprado um bilhete num barco italiano e viaja até à Beira. Explica que, nesta altura, o atinge "uma aflição tremenda": a de ser preso pela PIDE no desembarque. Os esforços do Monsenhor Barbosa, de D. Sebastião Soares de Resende, bispo da Beira, e de D. Eurico, que entretanto soubera do que se passava e viera recebê-lo, evitaram o pior. Depois da eminência da prisão, a PIDE oferece-lhe um jantar de homenagem. "Nisso, nem pensar…", diz-nos.
"Nunca quis voltar atrás!" afirma o padre Camejo com a simplicidade de quem acredita que os jornais foram, talvez, exagerados quando lhe chamaram um "aventureiro de Deus" (Diário de Notícias, 27 de Março de 1967). Ficaram-lhe melhor gravadas na memória as manifestações pessoais de gratidão e até de comoção como a do bispo D. Eurico, na Beira: "pensei que viria com uma cara carrancuda mas, em vez de ouvir um ralhete, tive um abraço comovido e quase de lágrimas".

18 anos em Angola: uma história diferente
A Moçambique seguiu-se Angola, em 1972, mais precisamente a diocese de Sá da Bandeira, sempre acompanhando D. Eurico. Aí, "a história foi um pouco diferente por se tratar de uma guerra citadina". A guerra civil que precedeu e se seguiu à independência assolava a região e os confrontos entre os militares portugueses, MPLA, UNITA e FNLA enchiam a cidade para tornar a esvaziá-la de seguida. Ao padre Camejo, mais uma vez, faltavam tempo e braços para o que sentia ser necessário fazer: "ficavam por lá muitos dispersos que era preciso acolher, esconder, levar para o hospital". No carro do bispo, viajava até às bases e refúgios do MPLA, carregado de comida e do que fosse preciso. Muitos elementos de partidos diferentes, ora vencedores ora vencidos, foram ajudados por este sacerdote que vestiu alguns com batinas pretas para que lhes fosse possível deslocarem-se em segurança. Depois dos confrontos e dos combates mais violentos, de jipe, percorria as ruas para recolher os mortos e os feridos.
"Claro que fui ficando sozinho…" diz explicando os motivos da sua vinda para Portugal. Esteve no país doze anos depois da independência. Foi, primeiro, secretário do D. Eurico e, depois, do arcebispo D. Alexandre do Nascimento, mais tarde cardeal. O clima em Luanda começava a incomodá-lo e sentia-o diferente de todos os que tinha experimentado em África. "A saúde também já não era muita", explica. No regresso, trouxe as memórias e a vontade de continuar a servir dentro da Igreja. "Por sorte", diz, abriam, nessa altura, os Hospitais da Universidade de Coimbra, e aí esteve como capelão até não lhe ser possível continuar. Mostra-nos, com algum orgulho, um cartão que lhe foi enviado, recentemente, pelo general Kundi Paihama, ministro da defesa angolano, e que chegou até si pelas mãos de D. Eurico, que esteve em Angola há poucos meses.

O regresso às origens
Da conversa com o padre Camejo, guardamos o que a sua história tem de mais surpreendente e audacioso mas também o que tem de simples entrega. Com o mesmo espírito com que nos fala de África, lembra S. Bartolomeu, onde esteve, como pároco, depois de ser ordenado. "Caí bem ali", explica apoiado pelas recordações dos grupos de jovens que "estavam, mais ou menos, ao redor da Igreja" ou dos comerciantes e moradores da Praça Velha, que "formavam uma família". O presépio vivo recebia tanta gente que muitos diziam que "parecia a Rainha Santa" e, na altura, existia "um grupo de futebol e uma banda que tocava nas aldeias e nas festas". O gosto pela arte que cresceu consigo permitiu-lhe ainda mais uma aventura: a de recolher pelas casas da comunidade antiguidades, objectos e imagens que foram guardados na igreja com o fim de os preservar da melhor forma. A viver actualmente na Casa do Clero, em Coimbra, deixa que os seus dias se preencham com o que foi vivendo. Connosco fica a história que, mais do que entusiasmar, nos ensina valores e vontades fortes.

Irmã Luísa comemorou 50 anos de religiosa


A Irmã Luísa, da Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus comemorou no passado dia 21 de Abril, 50 anos da sua consagração a Deus na Vida Religiosa Hospitaleira dedicada aos doentes psíquicos.
Com ela louvamos e agradecemos a Deus que na sua infinita bondade e misericórdia a acompanha a curar e a enxugar as lágrimas do sofrimento em tantos corações.

Padre José da Costa Saraiva comemora 60 anos de sacerdócio


Completou 60 anos de sacerdócio, o nosso antigo colaborador, padre José da Costa Saraiva. Ordenado sacerdote em 5 de Abril de 1947, o padre José da Costa Saraiva celebrou missa nova no dia 12 do corrente mês, em Nogueira do Cravo, concelho de Oliveira do Hospital, terra da naturalidade de seus pais.
Embora natural do Porto, onde nasceu em 3 de Abril de 1924, o padre José da Costa Saraiva nunca esqueceu as suas raízes da Beira, onde serviu ao longo de seis décadas dedicadamente como pároco em diversas paróquias, nomeadamente em Arganil, onde foi reitor de 1971 a 1973 e onde deixou bem vincada a sua passagem, bem como professor no Seminário da Figueira da Foz e de Coimbra, em vários liceus e na Academia Militar.
Actualmente reside em Vila Nova de Gaia onde continua a sua acção pastoral como pároco e como capelão, ajudando nas paróquias da sua área de residência.

Padre João Castelhano homenageado em aniversário do Centro Social


O Centro Social de S. José celebrou, no dia 20 de Abril, o seu 30º aniversário, comemorado com a Eucaristia de acção de graças em memória dos utentes do Centro já falecidos, com um jantar e com um concerto pela Orquestra da Tuna Académica da Universidade de Coimbra, na Igreja de S. José.
O dia foi ainda preenchido com uma homenagem ao fundador da instituição, padre João Castelhano, a comemorar, este ano, 50 anos de ordenação. Pela liderança determinada do pároco de S. José, pela dedicação, esforço e empenhamento na concretização de um sonho, a direcção do Centro Social descerrou uma placa com o seu nome, agora atribuído à instituição, embora não oficialmente. A proposta de homenagem foi da comissão organizadora do aniversário de ordenação do padre João Castelhano. À iniciativa juntaram-se muitos convidados, amigos e entidades oficiais da cidade e da comunidade eclesial e, sobretudo, paroquial.

1º Encontro de E.M.R.C. da diocese


A Diocese de Coimbra vai realizar, em Penela, no dia 30 de Abril, o primeiro encontro inter-escolas de alunos da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica. Este ano, a iniciativa destina-se aos alunos do 2º ciclo.
"Juntos por um Sonho" é o tema escolhido para o encontro, que contará com a presença do bispo de Coimbra, D. Albino Cleto. Espera-se a presença de 2000 alunos.

Paróquia de Santa Clara passará a contar com Gabinete de Apoio Psicológico


A partir do dia 28 do corrente mês, a paróquia de Santa Clara passará a dispor de um gabinete de atendimento e acompanhamento psicológico, orientado pelo Dr. Jorge Simões, que, gratuitamente, atenderá crianças, jovens e adultos.
Irá funcionar no mesmo local onde a Caritas faz atendimento, junto da entrada para o Centro Pastoral, em horários alternados. Estes atendimentos far-se-ão: às quartas-feiras, a partir das dezoito horas; aos sábados, a partir das quinze e trinta horas. As marcações efectuar-se-ão junto dos funcionários da igreja da Rainha Santa, em impresso próprio, nas horas e dias disponíveis para o efeito.

Paróquia de Santa Clara promove actividades desportivas junto dos jovens


A Paróquia de Santa Clara vai organizar actividades, na área desportiva, para jovens, rapazes e raparigas, a partir dos 13 anos. Esta actividade vai realizar-se todos os sábados das 10 h às 12 horas, no parque desportivo do Quartel que fica anexo à igreja da Rainha Santa Isabel e que foi gentilmente cedido, para este efeito, à paróquia de Santa Clara.
As inscrições, que são gratuitas, serão feitas no próximo dia 28 de Abril, às dez horas.
Por isso, os interessados poderão informar-se desta actividade que é aberta a todos os jovens, frequentem ou não a Igreja.