Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

28 de março de 2008

Concerto de solidariedade em prol das Irmãs Adoradoras


Vai ser levado a cabo no próximo dia 9 de Abril, pelas 21,30 horas, no auditório dos Hospitais da Universidade de Coimbra, um concerto de solidariedade em prol das Irmãs Adoradoras. Os artistas convidados são: José Cid, André Sardet e o Orfeão Polifónico de Coimbra.
As Irmãs Adoradoras dedicam-se ao trabalho na área social, e procuram dar respostas a problemas que afectam a mulher e adolescentes em situações de violência, nomeadamente jovens adolescentes de alto risco, provenientes de famílias carenciadas, toxicodependentes, mulheres que recorrem à prática de prostituição, jovens mães sem-abrigo (Casa da Graça). Mulheres vítimas de violência doméstica. A intervenção das Irmãs Adoradoras estende-se a diversas cidades, sendo que Coimbra têm duas casas de acolhimento.

Cadeia de Oração pelo Dia da Igreja Diocesana

Os Secretariados Diocesanos da Pastoral Familiar e da Juventude, em ordem ao Dia da Igreja Diocesana, a celebrar, no Luso, em 18 de Maio, estão a promover uma Cadeia de Oração para mobilizar toda a diocese a rezar pelos bons frutos do Encontro, pedindo que ele seja, para cada cristão e para a Igreja particular de Coimbra, um momento de consciencialização da sua pertença eclesial à grande família Diocesana.
Inspirados pelo tema “A mesma família o mesmo Pai”, pretende-se rezar diariamente, associando-nos ao grupo ou organismo diocesano destacado, em cada dia, para o efeito.
Será este o maior sinal da comunhão – e o mais eficaz! - que deve atravessar todas as famílias cristãs, todas as paróquias, movimentos e estruturas diocesanas.

Ildefonso Moriones é o postulador do processo de beatificação da Irmã Lúcia


O padre Ildefonso Moriones é o postulador que vai conduzir o processo de beatificação da Irmã Lúcia. Professor de História da Igreja, foi consultor da Congregação vaticana para as Causas dos Santos, e há mais de dez anos é postulador geral da Ordem dos Carmelitas Descalços.
Esta é uma escolha do Bispo de Coimbra, D. Albino Cleto, em consonância com o Carmelo de Coimbra e já foi oficialmente confirmada junto do Vaticano. Ildefonso Moriones está em Roma, um factor que poderá ajudar o processo, já que estará mais próximo do Vaticano. Por outro lado, trata-se do postulador geral da Ordem que acompanha o Carmelo de Coimbra.
Para completar o Tribunal Eclesiástico que vai avaliar todas as questões relacionadas com o processo de beatificação, será nomeado em breve o vice-postulador. Nesse caso, será um Padre de Coimbra, a quem caberá fazer a recolha e uma primeira análise de todo o material. Ildefonso Moriones virá, nas próximas semanas, a Coimbra e em reunião com D. Albino Cleto será anunciado o vice-postulador.
O início do processo de constituição do Tribunal Eclesiástico, recorde-se, só foi possível porque o Papa Bento XVI acedeu ao pedido do Bispo de Coimbra e aceitou antecipar o prazo estipulado pelo Direito Canónico para iniciar o processo de beatificação. Algo que só pode ser feito após cinco anos a data da morte, mas que excepcionalmente foi permitido fazer ao fim de três anos. A “boa nova” foi precisamente anunciada a 13 de Fevereiro, na missa que celebrou o terceiro aniversário da morte da vidente de Fátima.
Como foi então sublinhado, esta foi a terceira excepção em termos de prazos, depois dos casos de Teresa Calcutá e João Paulo II.


Miguel Cotrim

27 de março de 2008

Câmara de Coimbra lança visitas tem áticas sobre Irmã Lúcia



A Câmara de Coimbra vai organizar, a partir do início de Abril, visitas guiadas sobre a Irmã Lúcia, no Memorial que lhe é dedicado no Carmelo de Santa Teresa.
Apresentadas recentemente em conferência de imprensa no Memorial da Irmã Lúcia, as visitas guiadas a este espaço museológico começam a 1 de Abril, terão uma periodicidade quinzenal (às Terças-feiras) e serão orientadas por uma guia-intéprete da autarquia.
“Durante a visita serão dadas explicações sobre a biografia da Irmã Lúcia e sobre o Carmelo”, disse o vereador da Cultura da autarquia, Mário Nunes, ao referir que a iniciativa constitui uma oportunidade para conhecer esta figura “importante a nível mundial e o seu espólio”.
Projectado pelo arquitecto Florindo Belo Marques, o Memorial da Irmã Lúcia reproduz a cela onde a vidente de Fátima viveu 57 anos da sua vida, cabendo a responsabilidade do projecto museológico a Berta Duarte.
O espaço mostrado aos jornalistas por Mário Nunes e por Berta Duarte – chefe de divisão de Museologia do Departamento de Cultura da Câmara de Coimbra – foi inaugurado a 31 de Maio de 2007, tendo sido visitado, entre essa data e o final do ano, por cerca de 12 mil pessoas.
“Este local é um circuito obrigatório, sobretudo no turismo religioso”, referiu ainda Mário Nunes.
Agência Lusa

Prostituição preocupa a Cáritas na região centro

A globalização confere novos contornos à prostituição. Porque o tráfico de mulheres e jovens para fins de exploração sexual pede um novo olhar, a Caritas diocesana de Aveiro, em parceria com as suas congéneres de Coimbra, Guarda, Lamego, Leiria/Fátima, Viseu e Cáritas Portuguesa, organizou as I Jornadas Interdiocesanas de Reflexão sobre a Prostituição.

Esta proposta surge da necessidade de, enquanto Igreja, e “junto de pessoas creditadas nesta matéria, podermos reflectir para perspectivar formas de trabalhar”, explica à Agência Ecclesia o Diácono José Alves, presidente da Caritas Diocesana de Aveiro.
Com a preparação desta jornada, a organização constatou a necessidade de “alargar o evento a outros elementos das comunidades locais”, nomeadamente a centros sociais e movimentos.
A Caritas centra-se nesta área pelo combate pela dignidade da pessoa. O presidente da instituição diocesana afirma que em Aveiro tentam descobrir a melhor forma de intervir para apoiar a pessoa na sua “dignidade, auto estima e eventualmente, apoiar as mulheres que queiram mudar de vida”. Isto sem esquecer «os filhos».
A Caritas de Aveiro centra-se no apoio às famílias, aos filhos, para além do apoio psicológico e por vezes económico.
“Verificamos a existência de um grande número de mulheres que são alvo de apoio por parte de algumas instituições”. A Caritas “está a procurar que nos ensinem para vermos a melhor forma de podermos caminhar conjuntamente”.
O Diácono José Alves afirma que não têm ainda uma “base de trabalho que trabalhe directamente com essa área”.
A Igreja diocesana tem uma equipa de trabalho que trabalha no apoio às mulheres de rua. “Tem um núcleo de visitação e apoio regular”, explica. “Mas é pouco”, completa.
Agência Ecclesia

Na Carapinheira


Visita Pascal cumpre a tradição


Como noutras paróquias do concelho de Montemor-o-Velho, a visita pascal é uma tradição religiosa bem arreigada na comunidade cristã da Carapinheira. A cerimónia anual da “bênção da casa ou da família” é um hábito católico antigo que tem lugar no Domingo de Páscoa, Segunda-feira de Páscoa e no Domingo de Pascoela.
Antigamente era o pároco que fazia a visita pascal, mas desde há cerca de duas décadas, esta missão é confiada a um seminarista. Desde 2005, a paróquia da Carapinheira está confiada, “in solidum”, aos padres José Luís Ferreira e António Domingues, da Congregação do Preciosíssimo Sangue, que, mantendo a tradição, este ano contam com o seminarista Paulo Serrano, da diocese de Évora, para a visita aos paroquianos.
Domingo de Páscoa e Segunda-feira de Páscoa, a terminar a eucaristia, o pároco apresentou à comunidade o grupo que ia fazer a visita, dizendo: “em nome desta comunidade cristã, ide visitar todos os paroquianos anunciando-lhes a Ressurreição do Senhor, dando-lhes as boas festas, exortando paz para todas as casas e abençoando as famílias”, delegando a missão da visita pascal ao seminarista. No fim da missa, ao som do repicar festivo dos sinos da igreja paroquial e do estalejar de foguetes a anunciar a saída do “compasso”, deu-se início a tão agradável quão exímia tradição. Domingo de Pascoela repete-se o ritual, terminando a visita pascal de 2008.
A comitiva é normalmente constituída por cinco pessoas ou “figuras” fundamentais: o ‘miúdo’ que segue à frente a tilintar a campainha, anunciando a aproximação do cortejo, o “mordomo” de opa vermelha, transportando a Cruz, o leigo da caldeira da água-benta, o leigo que recebe o “folar” e o prior com as vestes festivas. E lá vai o “compasso”, de casa em casa, desejando uma “Santa Páscoa” a todos os paroquianos, familiares e amigos.
A entrada de cada casa está geralmente embelezada com variadas flores, destacando-se o rosmaninho e o alecrim, que exalam um inebriante aroma; a casa está impecavelmente limpa, alindada e cheirosa; a família está reunida na sala, e aí se beija, com devoção, a cruz paroquial adornada e perfumada, enquanto o prior procede à bênção, para logo a seguir, por entre “boas-festas” e “aleluias”, cumprimentar e saudar, um a um, todos os membros da família e amigos. Depois da oferta do “folar” e de toda a gente ter beijado a cruz, na mesa coberta pela melhor toalha, são servidos os doces da época e as mais típicas comidas e bebidas para todos poderem confraternizar por breves momentos, momentos alegres e festivos, mas imperativamente breves, pois o “compasso” tem de prosseguir o itinerário habitual para entrar em todas as casas que o esperam de portas abertas.
Quando termina a visita pascal a toda a freguesia a comitiva recolhe à igreja paroquial, mais uma vez ao som festivo do repicar dos sinos intercalado com o estalejar de foguetes. Nesta data também é habitual os padrinhos presentearem os afilhados com o típico “folar” (um grande e saboroso bolo com ovos), retribuindo estes com as tradicionais amêndoas. Actualmente, o folar é substituído por dinheiro ou outras prendas. À volta deste ritual simples e significativo, de carácter religioso, que constitui o essencial da tradição, vieram juntar-se, através dos tempos, elementos de origem cultural e social, que enriquecem este costume ancestral e lhe emprestam o colorido e o ambiente alegre e festivo, próprios do dia de Páscoa.


Aldo Aveiro

Via Sacra: cumpre-se tradição em Ferreira do Zêzere

No passado Domingo dia 16, realizou-se a tradicional Via Sacra "Uma vela a Jesus" nos 4kms dos cruzeiros de Dornes, Ferreira do Zêzere, em direcção ao Santuário de Nossa Senhora do Pranto.
Foram muitos os peregrinos que em família ou individualmente fizeram esta caminhada de fé, recordando em cada estação o sofrimento de Cristo até ao calvário.
No dia em que se comemorou o Dia Mundial da Juventude a Via Sacra foi presidida pelo novo Padre de algumas freguesias do concelho de Ferreira do Zêzere Filipe Diniz e todos os leitores das estações foram também jovens do concelho.
Via Sacra "Uma vela a Jesus" volta a realizar-se no Domingo de Ramos de 2009, dia 5 de Abril.


Agência Ecclesia