Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

1 de fevereiro de 2007

Formação do Clero





Centros sociais em debate

"Os desafios pastorais da Encíclica Deus Caritas est à Diocese de Coimbra" foram motivo de reflexão de cerca de 55 padres da nossa diocese, reunidos na Casa da Sagrada Família, em Mira, dos dias 22 a 26 de Janeiro. Estiveram presentes vários especialistas da Universidade Pontifícia de Salamanca, que orientaram discussões e debates, promovendo uma compreensão, em profundidade, dos conteúdos da mensagem do papa Bento XVI, que, como referiu o Bispo de Coimbra, D. Albino, desafia os cristãos a revelarem o Amor que vem de Deus, no mundo de hoje.
A aplicação das temáticas abordadas na prática pastoral diária dos nossos presbíteros foi também parte importante da semana. No dia 25, realizou-se uma mesa redonda, com a participação de intervenientes na área da acção social e caritativa, numa reflexão sobre "questões concretas da pastoral da caridade na diocese de Coimbra, a nível diocesano e paroquial".
Para o professor José Dias Coimbra, presidente do Secretariado Regional da União das Misericórdias Portuguesas, é importante estar atento aos novos problemas que surgem na área da acção social. No caso concreto da instituição de que faz parte, sente que "começa a haver a ideia de que a Igreja pode ser dispensada das Misericórdias", sendo, por isso importante, que as comunidades, os bispos, a conferência episcopal se façam presentes. Carlos Neves, da Caritas de Coimbra traçou um retrato da diocese, observando que só os concelhos de Coimbra e Figueira não fazem parte do mapa do Portugal desfavorecido, elaborado pelo governo. Salientou ainda a importância dos grupos sócio caritativos locais, chamando a atenção para a necessidade de formação, nesta área, daqueles que pertencem a estes organismos. O padre Luís Costa apresentou depois a sua experiência concreta, em quatro centros sociais localizados nas paróquias que orienta. O debate, moderado pelo cónego João Lavrador, permitiu aos padres presentes falarem das suas experiências, da dificuldade de gerir centros sociais, da importância de fazer deste um trabalho humano e de amor, com a participação activa da paróquia, ainda que de forma cada vez mais profissional e adaptada ao nosso tempo.
À margem de uma das sessões de formação, D. Albino salientou a importância desta semana de encontro e reflexão, que "consegue evitar o envelhecimento pastoral e o envelhecimento de mentalidades". Para o Bispo de Coimbra, tem-se conseguido que os sacerdotes "não caiam numa rotina que apenas garante os serviços litúrgicos". O pastor da diocese sente que "tem nascido, na grande maioria dos padres, uma curiosidade e um certo espírito de frescura que depois se repercute na sua actuação".

Médicos de Coimbra votam “não” ao aborto


Um numeroso grupo de médicos e médicas, entre os quais se encontravam ilustres clínicos de diversas especialidades e docentes universitários como o Prof. Linhares Furtado, Profª Henriqueta Coimbra, Prof. Manuel Antunes, Prof. Vilaça Ramos, Prof. Adelino Marques, Prof. Dinis de Freitas, apresentou no passado sábado, no Hotel D. Luís, o núcleo de Coimbra do movimento SOMOS MÉDICOS POR ISSO NÃO!

Este movimento, o único formado apenas por médicos e estudantes de Medicina, tem âmbito nacional e foi apresentado simultaneamente em várias cidades do país, para participar activamente no esclarecimento dos cidadãos a partir dos dados fornecidos pela ciência. Entendem que o aborto livre não se enquadra no exercício da medicina e lembram que a protecção da vida é o fundamento da prática médica.O movimento, surgido há cerca de uma semana, já congrega mais de quinhentos médicos e estudantes de Medicina e continua a receber apoios.
A Drª Isabel Veiga de Miranda, médica obstetra, leu a declaração de princípios do grupo, do qual destacamos as seguintes afirmações: "Como médicos, temos um compromisso radical e irrenunciável com a vida e a sua defesa: a vida de qualquer ser humano, independentemente da sua condição e idade. Por isso respeitamos a vida intra-uterina. Como médicos, aderimos voluntariamente ao compromisso ético milenar, consignado no Juramento de Hipócrates, que nos ensina a respeitar a vida e a não praticar o aborto."
O Dr. José Miguel Baptista lembrou que a partir do momento da fecundação se forma um genoma humano, único e irrepetível. O Prof. Vilaça Ramos citou, a esse propósito, o cientista e Professor Jerôme Lejeune, grande precursor da citogenética: "se um óvulo fecundado não fosse, por si só, um ser humano nunca poderia tornar-se num, pois nada lhe é acrescentado".
A Drª Isabel Veiga de Miranda, recordando a sua experiência profissional, explicou que foi das primeiras em Coimbra a poder efectuar ecografias endovaginais e a observar batimentos cardíacos num embrião de dois milímetros, quando a grávida tem apenas uma semana de atraso menstrual.
O Prof. Vaz Serra citou vários estudos recentes e explicou que 64% das mulheres que abortam foram coagidas por terceiros, 83% teriam levado a gravidez até ao fim se tivessem recebido apoio, os episódios depressivos graves são duas vezes mais frequentes nas mulheres que abortaram, têm uma taxa de suicídio 6 a 7 vezes mais elevada no ano a seguir ao aborto, 14% apresenta todos os sintomas de um distúrbio de stress pós-traumático. Estes danos psicológicos acontecem mesmo naquelas mulheres sem antecedentes psiquiátricos. Estes estudos comprovam as repercussões negativas que o aborto tem para a saúde psíquica da mulher: as mulheres têm o direito de ser informadas destes riscos, de ser protegidas e de lhes ser oferecidas efectivas soluções alternativas ao aborto.
O movimento promoveu também uma sessão de esclarecimento no Alfândega do Porto e pretende participar activamente em diversos eventos, nomeadamente nos que vão ser promovidos pela Ordem dos Médicos.