Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

17 de março de 2009

Carapinheira: Procissão do Senhor dos Passos



Cumprindo uma centenária tradição religiosa, a Paróquia de Santa Susana da Carapinheira revive, dia 22 de Março, a "Procissão do Senhor dos Passos".


Através dos séculos, na época quaresmal, os cristãos souberam traduzir, por diferentes formas, os mistérios principais da nossa Fé na Ressurreição do Senhor. A Procissão dos Passos é uma maneira visível e silenciosa de proclamar o Mistério da Paixão e Morte de Jesus Cristo. A comunidade cristã da Carapinheira, gozando a felicidade de acolher no seu seio algumas das mais antigas manifestações de religiosidade popular, tem por tradição reconstituir os momentos mais marcantes alusivos à morte de Cristo, com a realização da soleníssima procissão do "Senhor dos Passos", no Domingo IV da Quaresma.
A "Procissão dos Passos" inicia-se no sábado à noite, na igreja matriz, com a celebração da Eucaristia, seguindo-se uma procissão de velas, conduzindo a imagem de Nossa Senhora das Dores para a capela de Santo Amaro, no Alhastro, onde fica até domingo, assim como algumas alfaias, regressando a procissão à igreja. No domingo, ao início da tarde, na Igreja Matriz, é celebrada a Eucaristia, na qual um ministro sagrado, especialmente convidado para o efeito, faz o "Sermão do Pretório", aludindo aos diferentes momentos que culminaram com a condenação de Jesus. Após o Sermão do Pretório, que simboliza a primeira "Estação dos Passos", a Verónica entoa, pela primeira vez, a sua antífona, em latim, "O vos omnes, qui transitis per viam, attendite, et videte si est dolor imilis sicut dolor meus. (Ó vós todos que passais por este caminho, vede se há dor igual à minha dor)", que se repete em todas as estações.
A segunda estação - Jesus toma a cruz aos ombros - é invocada num painel pintado, na Capela de Santo Cristo; a terceira estação - Jesus cai pela primeira vez - é contemplada num painel pintado, em frente à Igreja, próximo da Junta de Freguesia; a quarta estação - Jesus encontra sua Mãe - é celebrada no Largo do Alhastro, com o Sermão do Encontro (os andores com as Imagens de Cristo e Maria Mãe são colocados frente a frente); a quinta estação (a sexta na via-sacra) - Verónica limpa o rosto de Jesus - é evocada num painel pintado, na Capela de Santo Amaro; a sexta estação (oitava na via-sacra) - Jesus exorta as filhas de Jerusalém - é meditada num painel pintado, na Casa Paroquial; a sétima estação (a décima segunda na via-sacra) - Jesus morre na Cruz - é exaltada na Igreja Matriz, com o cenário do Calvário e o Sermão do Calvário. O Calvário, já armado e encimado com Cristo Crucificado, é composto pelas figuras bíblicas que integraram a procissão. Antigamente era a Imagem do Senhor Morto que presidia ao Calvário.


Aldo Aveiro

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial