Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

28 de agosto de 2008

Mosteiro de Santa Clara-a-Velha reabre em Setembro



O Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, reabre ao público em finais de Setembro, passando a dispor de um centro interpretativo do monumento, transformando aquele espaço no "maior estaleiro de arqueologia medieval" da Europa. O mosteiro foi mandado construir por Dona Isabel de Aragão, em 1314, tendo sido alvo de sucessivas inundações pelas águas do Mondego, obrigando, em 1677, a transferência das clarissas e do túmulo da Rainha Santa para um novo mosteiro, o de Santa Clara-a-Nova.




Alvo de um projecto de recuperação e valorização iniciado em 1991, que transformou aquele espaço no "maior estaleiro de arqueologia medieval europeia", o Mosteiro surge agora com um centro museológico dirigido à investigação permanente do conjunto monástico.
"Não é um museu mas um centro interpretativo que pretende contar quem lá viveu, como, o que comeu, a importância que teve", disse à Agência Lusa o arquitecto Artur Côrte-Real, coordenador do Projecto de Valorização do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha.
O estaleiro esteve aberto a visitas, de forma condicionada, entre 2004 e 2007, que atingiram as cinco mil pessoas anuais, referiu.
O mosteiro foi mandado construir por D. Isabel de Aragão, em 1314, no local primitivo do núcleo de monjas clarissas fundado em finais do século XIII, por D. Mor Dias.
Desde cedo, o monumento foi sucessivamente invadido pelas águas do Mondego, obrigando à construção de pavimentos elevados e ao abandono definitivo do monumento, em 1677, com a transferência das clarissas e do túmulo da Rainha Santa para um novo mosteiro, o de Santa Clara-a-Nova.
Os trabalhos iniciais de requalificação do acesso e percurso de visita à igreja semi-alagada levaram à descoberta de um conjunto monástico de elevado valor arquitectónico e artístico, que justificou a construção de um edifício de raiz para exposição e interpretação dos acervos escavados.
Em 2006, iniciou-se a conservação e restauro das ruínas arqueológicas, através de um projecto de valorização do mosteiro que ronda os 7,5 milhões de euros.
O projecto engloba um edifício com mil metros quadrados, construído para acolher o núcleo museológico/centro interpretativo, com salas de exposições, auditório e espaço de projecção fílmica, loja com venda de produtos associados ao monumento e uma cafetaria.
Existem ainda espaços próprios para a reserva de materiais, laboratório de conservação e restauro, biblioteca, gabinetes de investigação e serviço educativo de apoio a professores e crianças que visitem o monumento.No centro interpretativo ficará em permanência uma exposição de acervos arqueológicos, que documenta as vivências espirituais e temporais da comunidade monástica.
A intervenção no Mosteiro contou com a participação de especialistas em diversas áreas, nomeadamente História de Arte, Antropologia, Arquitectura, Botânica, Geologia Engenharia.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial