Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

28 de agosto de 2008

JOGOS CHEGARAM AO FIM



Por Teresa Martins

Os Jogos Olímpicos de 2008, realizados em Pequim (Beijing), chegaram ao fim e, felizmente, sem incidentes desagradáveis... Congratulamo-nos com isso, desejando, que sejam recompensados todos os que foram desalojados das suas casas (ou, por outros motivos, prejudicados), para que o sucesso deste grande evento pudesse ter sido perfeito. Se assim for, a China e o mundo estão de parabéns. Os Jogos abriram com pompa espectacular e decorreram num ambiente altamente cordial e de grande profissionalismo. Também no encerramento a China mostrou o seu brio de anfitriã, dando ao mundo uma imagem de gabarito... Portugal (175º país na cerimónia de abertura) viveu momentos de verdadeira euforia, com direito a prata e ouro... Momentos inesquecíveis, que os participantes (vencedores ou não) souberam viver com muita dignidade! São Momentos a recordar pelos vindouros!...
A História da participação portuguesa nos Jogos Olímpicos recorda-nos Francisco Lázaro, que fez parte da «Maratona Olímpica» em Estocolmo, a 15 de Agosto de 1912 e nela perdeu a vida. Disso nos fala, em pormenor, António José Ramos de Oliveira (técnico superior de Biblioteca e Documentação), no semanário «A Guarda», de 15 de Maio do ano corrente. «O atleta vai encontrar-se com a morte ao quilómetro trinta da maratona, em Estocolmo».
Aos 24 anos, com fortíssimo apoio solidário do povo português, e «graças à amizade e esforço pessoal de D. José de Mascarenhas», Francisco Lázaro é escolhido para representar Portugal, sendo o porta-estandarte, uma honra (como hoje, Vanessa Fernandes)! Era dia de imenso calor. «A organização ainda ponderou adiar a prova, mas os regulamentos, rígidos e inflexíveis, não o permitiam.» O atleta tivera problemas de asma, mas considerava-se, na altura, já perfeitamente curado e em boa forma física, daí que ele próprio e o povo português estivessem perfeitamente confiantes. «Aos 25 Km. está muito perto dos primeiros, mas aos 30 cai fulminado "por uma insolação"». Fala-nos o articulista das cerimónias e sentimentos generalizados após a sua morte trágica... «...o barão de Coubertin apresentou pessoalmente as condolências. Gustavo Adolfo, o príncipe herdeiro da Suécia, organizou um grande festival no Estádio Olímpico, reunindo os melhores atletas e cavaleiros dos Jogos e a receita daí resultante foi entregue à filha de Francisco Lázaro quando atingiu a maioridade...»
Estes louváveis artigos de «memórias quase esquecidas» terminam com uma citação do semanário daquela época, e a de hoje não pode deixar de ser lembrada... Tem como título «Um Lázaro que morre e cremos bem que não ressuscita»e diz: «Realizou-se em Stokolmo uma festa de caridade em benefício da família do morto, que rendeu, líquidos, perto de 6 contos de réis (hoje 30 euros!). Do mal o menos, coitado!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial