Correio de Coimbra

Jornal informativo da Diocese de Coimbra. Assine e divulgue o nosso semanário. 239 718 167. fax: 239 701 798. correiodecoimbra@mail.telepac.pt

A minha fotografia
Nome:
Localização: Coimbra, Portugal

10 de março de 2009

Conferências Quaresmais em S. José



António Marujo: "É bonito redescobrir Paulo através dos seus textos literários"

"Paulo tem sido muito mal tratado, conhecido e amado pelos cristãos, essencialmente, nós católicos". A afirmação é do jornalista António Marujo, na primeira sessão do ciclo de conferências quaresmais organizadas pelas paróquias da cidade.
Para o jornalista do "Público", especializado em assuntos religiosos, "Paulo foi sempre visto como um anti-social, que desprezava as mulheres, impunha regras muito rígidas às primeiras comunidades cristãs, tinha um temperamento muito obsessivo e uma falta de humor".
Para explicar estes factos, António Marujo explica que é essencial entender a cultura da época e recorre-se a explicações de vários teólogos. Para António Marujo, Paulo conseguiu ser muito incómodo ao impor igualdades entre todos, ao abolir a escravatura e as diferenças entre "servo" e "senhor".
Segundo o jornalista do "Público", "Paulo não se converte a nenhuma nova religião. Ele está de acordo com a nova doutrina. Não rejeita a sua fé judaica. Não recusou as normas do judaísmo, apenas quis aderir ao cristianismo, porque sabia que a salvação tinha chegado através da figura de Jesus Cristo".
António Marujo explica ainda o fenómeno de crescimento das primeiras comunidades cristãs. "Paulo aproveitou o desenvolvimento do império romano, que era notório através das estradas/vias entre as principais cidades e a linguagem que era comum a todos para poder evangelizar e anunciar a Boa Nova".
António Marujo diz ainda que "é muito bonito redescobrir Paulo através dos seus textos literários e era bom que quando chegássemos ao fim do ano paulino tivéssemos a mesma percepção".
António Marujo falou depois do papel da mulher na época de S. Paulo. Segundo ele, "é natural que houvesse mulheres à frente das comunidades. Estavam investidas com responsabilidades. As mulheres tinham o mesmo estatuto que os homens. As comunidades eram compostas por pequenos grupos de 20/30 pessoas e reuniam-se em casas de pessoas de classe média. Uma famosa teóloga que esteve recentemente em Lisboa e que António Marujo teve a oportunidade de entrevistar, disse-lhe que a hierarquia da Igreja tem a possibilidade de estudar e reflectir sobre o papel da mulher no seio da Igreja, que está muito bem evidenciado no Novo Testamento.
Mas, para António Marujo, "nem tudo correu bem a S. Paulo". O modelo que ele projectou, onde todos eram iguais, não vingou.
Ao reflectir sobre o tema "Onde está Deus hoje?", o jornalista responde que "está onde menos se espera". "Deus está nas pessoas que buscam a paz, está nos empresários que não despedem e não roubam".
Para António Marujo, a "Europa não está assim tão descristianizada quanto isso". Nesta Europa velha e cansada, "ainda se respira solidariedade, ainda existe liberdade, em quase todos os países da Europa, a pena de morte está abolida, não temos hoje fronteiras e podemos trabalhar e circular em qualquer país da Comunidade Europeia".
Para o jornalista, os "altares a um Deus desconhecido são hoje muitos - basta todos aqueles que promovem a justiça, a liberdade, o respeito pelos direitos humanos e a solidariedade".
As Conferências Quaresmais decorrem às quintas-feiras, pelas 21,15 horas, no Salão da paróquia de S. José. Hoje, dia 12 de Março, caberá a António Pinto Leite, falar sobre o tema "Caminhos de Damasco". Quais são, para os homens de hoje os caminhos de Damasco? Como é que Jesus interpela? Como reconhecê-lo? António Pinto, antigo dirigente do PSD, colabora semanalmente com o semanário Expresso.
No dia 19 de Março, Maria do Loreto Paiva Couceiro, do movimento GRAAL abordará o tema "Que Igreja num mundo global?" Num mundo global, uma Igreja global, sem distinção de raças nem de cores, preocupada com todos os homens e com o homem todo. É esta a Igreja que somos? Serão as respostas dadas pela Dr.ª Maria do Loreto Paiva Couceiro, doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa.
No dia 26 de Março caberá ao Bispo Auxiliar de Braga, D. António Couto falar sobre o tema "Comunidades e capelinhas?". D. António Couto foi ordenado bispo em 2007 e pertencia aos Missionários da Boa Nova.
No dia 2 de Abril, o Padre Doutor Joaquim Carreira das Neves falará sobre o tema "Desafios da Evangelização, hoje". O Padre Carreira das Neves é professor jubilado da Universidade Católica Portuguesa e é assídua presença no programa Ecclesia transmitido de segunda a sexta-feira na RTP 2.


Miguel Cotrim

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial